30 janeiro 2010

Doentes com psoríase isentos da taxa moderadora

Parlamento reconheceu psoríase como uma doença crónica

 

Assembleia da República PortuguesaO Parlamento aprovou esta quinta-feira o reconhecimento da psoríase como uma doença crónica, ficando os doentes isentos de pagar taxas moderadoras e passando os medicamentos queratolíticos e antipsoriáticos a ser comparticipados pelo escalão máximo.


As medidas decorrem de projectos de lei do Bloco de Esquerda e do CDS-PP, que hoje propuseram ao Parlamento o reconhecimento desta doença de pele como crónica e a alteração do regime de comparticipação dos medicamentos das pessoas afectadas.

 

«O objectivo é corrigir algumas injustiças que persistem no nosso sistema de apoio social e no domínio da assistência a determinadas doenças», justificou o deputado bloquista João Semedo.

 

Pelo CDS-PP, o deputado João Serpa Oliva lembrou que esta é uma doença cujo tratamento «exige medicamentos de uso exclusivo» e que os doentes pagam, em média, cerca de três mil euros por ano pelo tratamento. «É uma doença extremamente invalidante e é a terceira causa de suicídio», frisou.

 

O Bloco de Esquerda pediu igualmente a isenção do pagamento de taxas moderadoras para os doentes.

 

O reconhecimento da psoríase como doença crónica foi aprovada com os votos favoráveis de BE, PCP, PSD e CDS-PP e com a abstenção do PS, tal como a inclusão dos medicamento queratolíticos e antipsoriáticos no escalão A (isenção a 95 por cento) e a isenção do pagamento das taxas moderadoras, com os projectos de lei a baixarem à 10ª Comissão.

 

O Bloco de Esquerda propôs igualmente a isenção do pagamento de taxas moderadoras dos portadores de epilepsia e de doença inflamatória do intestino (colite ulcerosa e doença de Crohn), propostas aprovadas com os votos a favor de BE, PCP, CDS-PP e PSD e com a abstenção do PS.

 

in IOL Diário